01-cores_02.jpg
Mapa.jpg
03-OrtoLocalizacao.jpg
900c600-topview.jpg
900x600_render-e-diagrama.jpg
BIBLIOTECA-INTERIOR.jpg
ZonaInfantilBebeteca_BOA.jpg
corte-A_B.jpg
CORTE-C_D.jpg
Corte-Ventilação_BOA.jpg
DIAGRAMA.jpg
ENTRADA.jpg
PLANTA.jpg
RENDER-EXTERIOR_NOITE.jpg

BIBLIOTECA MADRID

2018


CONCURSO

MADRID, ESPANHA

AYUNTAMIENTO DE MADRID

ÁREA 68m²


O projecto de instalar um equipamento com um carácter funcional comunitário trará novas dinâmicas outrora inexistentes, numa rede de fluxos de conhecimento e informação entre a população local, o próprio espaço bibliotecário, escolas do bairro, associações locais.

“Gesto” Urbano

Esta nova modernidade residencial citadina está inserida numa area altamente empresarial que tambem tem bastante liberdade formal, onde cada identidade empresarial pretende exprimir a sua individualidade de forma arquitetónica original.
Esta linguagem poderá surgir em contraponto aos modelos urbanos residenciais mais consolidados.
A nossa proposta sente-se contextualizada nesta individualidade e propoe pressupostos contrários à urbanidade volumétrica comum destas áreas residenciais, pois enquadramos o espaço publico e uma suposta “não construção” como premissas válidas no processo criativo.

Conceito arquitetónico

A intenção de dotar este equipamento num dinâmo social comunitario levou-nos a procurar uma interpretação diferente do espaço publico, pretendendo criar um momento unico dentro do aglomerado urbano consolidado onde se insere.
O desenvolvimento do programa da biblioteca num nível abaixo da cota da rua acentua a nossa intenção de valorizar o espaço publico, pois liberta-o espacialmente para as vivências da comunidade, resposta clara do processo participativo que a comunidade solicitou.
A marcação da entrada é feita pela materialidade do acesso rampeado á biblioteca, com capacidade de se metamorfosear num auditório, faz essa transição de níveis e ao mesmo tempo pretende consciencializar o individuo para as variadas realidades funcionais.
Dotada com uma vertente open technology – a acessibilidade á informação e à experimentação, permite uma informalidade no uso do equipamento que se reflete formalmente nos jogos de cheios e vazios aliados a espaços públicos, semipúblicos e privados.
A filosofia formal aliada às premissas de sustentabilidade ambiental encontraram um eco na nossa proposta que trabalha os cinco sentidos humanos no tratamento da luz, do som, do tato, do cheiro e até do paladar.
Todos estes fatores foram tidos em consideração no desenvolvimento da proposta na sua ideia até á sua estruturação técnica.